ACESSIBILIDADE

A deficiência social é a principal barreira para as pessoas com deficiência

A deficiência social é a principal barreira para as pessoas com necessidades especiaisConforme o Art. 5º da Constituição, todos somos iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Certamente, o tornar acessível, tem como ponto central o efetivo acesso, ou seja, o poder acessar, ir, vir, entender, informar e ser informado, compreender etc, mesmo que por meios especiais. Todavia, observando o contexto evolutivo de uma sociedade marcada pela exclusão social, percebemos uma enorme distância entre a previsão constitucional e a realidade em que vivemos.

Se a incansável luta por direitos constitucionais, principalmente para o alcance do previsto no art. 5º, não tem sido fácil para a sociedade em geral, sem dúvidas, as dificuldades são bem maiores para pessoas com necessidades especiais. Os direitos constitucionais de igualdade, cidadania, ir e vir, entre outros, para o deficiente, talvez sejam apenas falácias de uma sociedade moralmente deficiente. Essa sociedade, como um todo, ainda não se propôs a cumprir plenamente o seu papel neste processo de desenvolvimento social. Sem muito esforço podemos constatar uma grande disparidade entre o texto da nossa constituição e a realidade, tudo isso provocado pelos representantes do Poder Público e os demais integrantes da sociedade.

A simples necessidade de utilizar expressões para identificar um indivíduo por suas características pessoais, como “deficiente físico” ou outras, já demonstra claramente que a sociedade brasileira, até então democrática e igualitária, necessita avançar muito em seu contínuo processo de integração social, revendo conceitos com vistas a depurar ainda mais a sua percepção a respeito da igualdade social. Precisamos olhar as pessoas com deficiência como todos nós, seres humanos com protagonismos, peculiaridades, contradições e singularidades. São pessoas que lutam por seus direitos, que valorizam o respeito: pela dignidade; pela autonomia individual; pela plena e efetiva participação e inclusão na sociedade e pela igualdade de oportunidades. A deficiência é apenas mais uma característica da condição humana. Eles não são incapazes nem coitadinhos, aliás, a ausência de algum sentido faz com que eles desenvolvam outros acima da média, superando muito, os possuidores de todos os sentidos. Tendo convivido com alguns amigos surdos-mudos (Ademir, José, Itamar, Edson e outros), bem como com alguns deficientes visuais (Carlindo, Divino Aurélio, Vavá e outros), além destes, conheço alguns cadeirantes e posso testemunhar nesses três grupos algumas habilidades extraordinárias na música, no esporte e principalmente na capacidade de se organizarem institucionalmente, criando, trabalhando, e administrando, por exemplo, as Associações dos Surdos-mudos, dos Deficientes Visuais dos Deficientes Físicos. .

É dever do Estado o cumprimento de suas obrigações no sentido de viabilizar condições para o pleno exercício dos direitos individuais e sociais e a efetiva integração social plena, entretanto, não seria suficiente apenas o Poder Público adotar uma política integracionista e humanitária objetivando melhorar a vida das pessoas com deficiência, a realidade só seria mudada com a parceria de cada cidadão responsável e consciente da importância de sua participação neste processo de desenvolvimento, colaborando com a integração social das pessoas com deficiência física. Por tudo isso, é necessário esclarecer a população a respeito e conscientizá-la de seu papel social, bem como dar visibilidade às necessidades especiais, desenvolver e implantar políticas públicas para cada especificidade, tirar da invisibilidade todo sujeito de direito de um estado democrático de direitos, restituindo-lhes o direito à igualdade e o respeito à sua dignidade. O desafio maior é vencer o preconceito e a discriminação, a sociedade precisa se adaptar para lidar melhor com as pessoas com deficiência. Precisamos cuidar melhor da arquitetura melhorando, dessa forma, a acessibilidade aos cadeirantes e outras pessoas com deficiência motora; respeitar os lugares nos coletivos; as vagas reservadas nos estacionamentos; preparar atendentes para comunicação utilizando a Lingua Brasileira de Sinais; disponibilizar escritas em Braille nos diversos locais públicos. Acredito que essas são algumas medidas alcançáveis e capazes de promover a superação das nossas carências e a redução das dificuldades para as pessoas com deficiência.

(Natal Alves França Pereira, servidor público, formado em Ciências Contábeis, filiado à Associação Goiana de Imprensa)

Posts relacionados

Deficientes sofrem na abertura do Engenhão

Eraldobr

Banco passa a financiar aparelhos para deficientes físicos

Eraldobr

Tensão entre exclusão e inclusão da pessoa com deficiência

Eraldobr

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais